Em 2022, o novo modelo de Ensino Médio já está em vigor nas escolas brasileiras, pelo menos para os estudantes do 1º ano. A implementação obrigatória está sendo realizada de forma gradual, de modo que todas as três séries estejam adaptadas até 2024.

A rede de Escolas SESI SENAI foi a primeira no País a começar a implementar o novo sistema, ainda em 2018, nos estados do Ceará, Alagoas, Bahia, Goiás e Espírito Santo. A primeira turma que cursou esse novo sistema completo, do 1º ao 3º ano, se formou em 2020.

Devido ao grande abandono escolar no Ensino Médio, notou-se a necessidade de reformular o modelo de ensino para torná-lo mais aderente ao interesse do jovem do século XXI e às demandas do mercado de trabalho.

Antes, todos os estudantes passavam pela mesma formação, agora cada um deles tem a chance de escolher parte dos assuntos que desejam aprofundar ou realizar um curso técnico dentro da carga horária de Ensino Médio. São muitas novidades, confira os detalhes das mudanças do antigo para o novo modelo e entenda como vai funcionar.

Escola SESI SENAI Unidade Parangaba

Como a grade curricular é dividida    

Entre as principais mudanças, o currículo escolar agora é dividido em duas partes: disciplinas iguais para todos os estudantes, conhecidas como Base Nacional Comum Curricular, e uma disciplina de maior interesse ou curso técnico optado pelo aluno, denominado itinerário formativo.

Dessa forma, os jovens são formados em fundamentos básicos para ter uma visão de mundo crítica e abrangente, mas também podem estudar com mais afinco os temas que mais despertam interesse para o seu futuro profissional.

Conteúdo1º ano2º ano3º ano
Base Nacional Comum Curricular800 horas600 horas400 horas
Itinerário formativo200 horas400 horas600 horas

O Ensino Médio continua sendo dividido em três anos, mas a carga horária é um pouco maior. O tempo mínimo aumentou de 800 para 1.000 horas.

Base Nacional Comum Curricular

Estávamos acostumados a aprender disciplinas específicas, como Biologia, História e Português. Então, outra grande mudança é que o conteúdo é ensinado de forma interdisciplinar, ou seja, todas as matérias foram aglutinadas em quatro disciplinas, por áreas de conhecimento.

LinguagensMatemáticaCiências HumanasCiências da Natureza
Língua Portuguesa Inglês Educação Física Artes  MatemáticaHistória Geografia Filosofia SociologiaBiologia Química Física

Hoje, em vez de os horários de aula serem distribuídos para 12 disciplinas, eles passam a ser divididos para essas quatro (Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza), em diferentes proporções. Nenhuma disciplina tradicional foi excluída. O que muda é o formato como elas vão ser ensinadas.

Itinerários formativos

Enquanto um aluno pode ter muito mais facilidade em entender os grandes filósofos da humanidade, outro pode ter mais interesse em equações e trigonometria, e um terceiro pode estar mais inclinado a desenvolver habilidades profissionais.

Então a proposta dos itinerários formativos é dar essa oportunidade de aprofundar seus conhecimentos na disciplina que você mais gosta entre Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza ou optar por um curso técnico.

O itinerário formativo é escolhido no começo do 1º ano e deve ser seguido até o fim do Ensino Médio.

As escolas são obrigadas a ofertar, pelo menos, dois desses itinerários formativos. Nas escolas SESI SENAI, são ofertados para todos os alunos as seguintes opções:

Além disso, os dependentes de trabalhadores da indústria podem optar gratuitamente pelas seguintes alternativas, que são ofertadas na unidade do SENAI da Barra do Ceará:

Projeto de Vida

Ao considerar que nessa fase da vida começamos a pensar sobre carreira profissional, a reforma incluiu no programa pedagógico o Projeto de Vida, que tem como objetivo orientar os alunos a explorar suas habilidades, descobrir seus interesses e estimular o autoconhecimento.

Cada escola tem a liberdade de decidir se o Projeto de Vida vai ser em formato de disciplina específica ou vai ser diluído nas aulas, por meio de conversas e atividades com os professores. De qualquer forma, ele está incluído na carga horária obrigatória a todos, isto é, na Base Nacional Comum Curricular.

Quais as vantagens desse modelo?

Conheça a Escola SESI SENAI

No Ceará, as unidades são localizadas em Fortaleza (Parangaba e Centro), Sobral e Juazeiro do Norte. Venha na Escola SESI SENAI conhecer melhor nossa metodologia diferenciada, com aulas também de empreendedorismo e robótica e espaços inovadores, como Sala de Matemática, Sala de Ciências e Espaço Maker.

Agende já a sua visita pelo WhatsApp 4009-6300.

">
Por que precisamos falar de burnout? Saiba como reconhecer os sintomas e como tratar – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
Por que precisamos falar de burnout? Saiba como reconhecer os sintomas e como tratar

Já tinha algum tempo que Samuel trabalhava ali, mas algo estava diferente. A motivação deu lugar à apatia, ao esgotamento emocional e às enxaquecas, por isso via a pilha de demandas se acumularem. Apesar do extremo cansaço, a insônia era uma companheira recorrente das longas noites. Ao mesmo tempo, pareciam tão curtas pelo cansaço ainda intacto ao acordar… até que decidiu procurar ajuda profissional.

Essa história de Samuel é fictícia, mas é a realidade de muita gente. Neste setembro amarelo, um dos temas que vamos abordar é a saúde mental no trabalho. De acordo com um levantamento realizado pela International Stress Management Association (Isma-BR) em 2019, 32% da população economicamente ativa sofre de burnout no Brasil, equivalente a cerca de 32 milhões de pessoas.

Também denominada como síndrome do esgotamento profissional, ela passou a ser reconhecida como doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2022. Então: não, não é mimimi. Esse é um assunto sério que deve ser tratado tanto com colaboradores quanto com gestores.

Corpo e mente podem dar sinais

Assim como Samuel estava tendo insônia e dores de cabeça, muitas pessoas se deparam com sintomas emocionais e físicos sem relacionar que a causa é o trabalho.

Fique atento aos sinais mais comuns de burnout: exaustão física e mental, falta de motivação para realizar atividades do trabalho, mudanças bruscas de humor, irritabilidade, isolamento, depressão e ansiedade.

Além disso, o seu corpo também pode manifestar lapsos de memória, dificuldade de dormir, palpitações, pressão alta, dores musculares, enxaqueca, entre outros.

Prevenção e tratamento

Primeiro, é preciso reconhecer os fatores que criam um cenário fértil de burnout para que seja evitado ao máximo. Na maioria das vezes, as principais causas são atribuídas ao acúmulo de funções, um grande volume de tarefas, cobrança excessiva por resultados e alto nível de responsabilidade.

Assim, é importante já identificar esses elementos para contornar a situação ainda no início. Se o caso for agravado, deve-se procurar um psiquiatra, que será capaz de fazer o diagnóstico profissionalmente e encaminhar o tratamento. Geralmente, trata-se a partir de combinação entre mudanças no estilo de vida e no ambiente corporativo, psicoterapia e medicamentos.

Como o burnout agora é reconhecido pela OMS, o trabalhador tem direitos trabalhistas e previdenciários previstos por lei causados por doenças relacionadas ao trabalho, ou seja, pode ser afastado sem que afete sua remuneração e até se aposentar por invalidez.

O que fazer estando na posição de gestor?

  • Abra espaços de feedback não só para você falar sobre o desempenho do seu colaborador, mas também para ele dar retorno sobre como está a rotina dele
  • Agilize processos seletivos para substitutos temporários para que não haja sobrecarga da equipe em casos de licença-maternidade, afastamento e férias de outros membros da equipe
  • Agende palestras para promover debate sobre saúde mental no trabalho
  • Revise se os prazos estabelecidos são condizentes com a quantidade de tarefas e com o nível de dificuldade da demanda

Os gestores também estão sujeitos ao burnout dentro de uma hierarquia na empresa. Da mesma forma que cobram também são cobrados. Logo, recomenda-se considerar a possibilidade da promoção de um coordenador para ter com quem dividir suas responsabilidades e não ficar sobrecarregado.

Precisamos falar sobre burnout para superar o tabu

Compartilhe este texto com seus colegas de trabalho, amigos e familiares para alertar sobre a síndrome do burnout. Para além de setembro amarelo, saúde mental deve ser uma pauta diária em casa, no trabalho, na roda de amigos.

Se você acha que apresenta os sintomas, procure ajuda profissional. Na SESI Clínica, você pode encontrar consulta para psicólogo e psiquiatra. Sua relação com o trabalho pode melhorar bastante.

Caso você seja gestor e queira proporcionar um ambiente saudável de trabalho, ligue para (85) 4009-6300 e saiba mais sobre as palestras de saúde mental e sobre o Programa de Qualidade de Vida, do SESICeará.

SESI

Sobre o Autor: SESI

O blog corporativo do SESI Ceará surge como um instrumento de ligação com o público externo, no qual oferece seu conhecimento e expertise em Saúde e Segurança para a Indústria como fomento para a discussão de temas inerentes à área.
Comentar