Falando sobre trabalho e saúde: o que as empresas podem fazer para diminuir a transmissão do Covid-19? As empresas do mundo inteiro estão tomando medidas de prevenção na tentativa de conter a transmissão do coronavírus. Várias medidas podem ser adotadas, como: dispensar os colaboradores, se possível, para trabalho em home office; sensibilizar sobre a importância da lavagem das mãos, bem como, manter um distanciamento de 2 metros entre as pessoas; organizar e agendar os horários de atendimentos para que não haja aglomerações; colocar placas de sinalização (sente aqui ou aguarde aqui) com 2 metros de distância; distribuir álcool em gel 70% para seus funcionários; divulgar os casos confirmados de Covid-19 na empresa, para que os outros funcionários fiquem atentos para possíveis sintomas, assim como, tomar medidas de isolamento social; estimular a higienização dos equipamentos de trabalho (computador, teclado, mouse e bancadas); e também orientar sobre uso de máscara e de outros EPI para aqueles trabalhadores que necessitam, como é caso dos profissionais de saúde. Portanto, todas essas medidas geram grande impacto na rotina da empresa e na vida de seus colaboradores. Não é verdade? O SESI elaborou um guia para ajudar as empresas na construção de seus planos corporativos de contingenciamento à pandemia de Covid-19 no território nacional. É importante que todas as empresas elaborem seu plano, pois, este possibilita identificação dos riscos e, assim, determina uma conduta mais eficaz em cada situação.

O que fazer se surgir um caso de Covid-19 confirmado na empresa?

Primeiramente, a empresa deve identificar se o colaborador com diagnóstico de Covid-19, apresenta sintomas (sintomático) ou não tem sintomas (assintomático). Mediante essa classificação são tomadas medidas de prevenção. Colaborador assintomático, deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para quarentena domiciliar; receber orientação sobre quando e como entrar contato com o sistema de saúde; receber orientação sobre medidas a serem adotadas durante o isolamento domiciliar para prevenção da contaminação a outras pessoas; receber orientação sobre medidas a serem tomadas caso precise se deslocar para o posto de saúde; ser monitorado de 2 em 2 dias para acompanhar a evolução da doença e a situação das pessoas que moram com ele. Já o colaborador que apresentar sintomas deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para uma unidade básica de saúde mais próxima; caso o serviço de saúde o encaminhe para quarentena domiciliar; receber todas as orientações destinadas para os casos assintomáticos. No entanto, as pessoas que mantiveram um contato por um tempo acima de 15 minutos e com uma aproximação menor de 2 metros de distância de uma pessoa com diagnóstico confirmado também precisam ser colocadas em quarentena por 14 dias; receber orientações sobre medidas de desinfecção e isolamento domiciliar. É necessário interditar para fazer uma desinfecção no local de trabalho do colaborador com Covid-19. Assim, realiza-se uma limpeza de todas as superfícies e equipamentos utilizados, já que o vírus pode permanecer vivo por dias em algumas superfícies.">
Por que implantar um programa corporativo de atividade física? – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
Por que implantar um programa corporativo de atividade física?

Os programas corporativos de atividade física estão cada vez mais ganhando espaço nas empresas. Os especialistas nas áreas de qualidade de vida e bem-estar reconhecem o ambiente de trabalho como fator influenciador para que as pessoas adotem estilos de vida saudáveis e melhorem seus níveis de saúde, tendo em vista que o trabalhador passa uma quantidade significativa de horas do seu dia no ambiente de trabalho. Importante ressaltar que esses programas entendem o fator humano como elemento de vantagem competitiva empresarial.

O interesse das organizações por esses programas de atividade física corresponde aos altos custos de assistência médica com os grupos de risco, com a necessidade de aumento da produtividade, melhoria do comprometimento do trabalhador no ambiente organizacional e o envelhecimento da força de trabalho.

A inatividade física foi formalmente considerada como uma pandemia, sendo o 4º fator de risco modificável que influencia a mortalidade global (OMS, 2012). A prática regular de atividade física é um comportamento preventivo importante na vida diária do indivíduo, pois promove aptidão física musculoesquelética e cardiorrespiratória, benefícios psíquicos e cognitivos à saúde, auxilia na perda de peso corporal com a redução ou manutenção da gordura corporal e conservação ou aumento da massa magra, o que contribui de forma positiva na redução da morbidade e mortalidade por doenças cardiovasculares, câncer de cólon e mama, síndrome metabólicas, hipertensão, diabetes e obesidade.

Os dados do Ministério da Saúde (PNS e Vigitel, 2016) mostram que:

  • 53,8% da população brasileira está com excesso de peso (sobrepeso ou obesidade), aproximadamente 111.742 milhões de brasileiros.
  • O Ceará é o 5º estado com o maior número de pessoas com excesso de peso (56,5%).
  • O sedentarismo é o 3º maior fator de risco individual que influencia a ocorrência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT).
  • As DCNT são a causa de aproximadamente 72,3% das mortes no Brasil.

Como o SESI pode ajudar?

O SESI Assessoria Esportiva é um serviço especializado que objetiva a redução e prevenção dos seguintes fatores de riscos modificáveis para o desenvolvimento de DCNT: obesidade, inatividade física e alimentação não saudável, através da prática de atividade física sistematizada, avaliação médica e acompanhamento nutricional em grupo. A solução atua de forma multidisciplinar, como base no modelo transcomportamental, elaborado pelo psicólogo James Prochaska, envolvendo os profissionais de educação física, nutricionista e médico clínico geral, propondo as seguintes ações:

  • Identificação dos parâmetros morfológicos e funcionais do trabalhador e da prevalência dos fatores de riscos modificáveis.
  • Prática regular de atividade física e monitoramento do desempenho físico.
  • Avaliação médica – clínica geral.
  • Orientações nutricionais em grupo.

O serviço implantado na organização dá ao trabalhador a oportunidade de mudança do estilo de vida, despertando ou aumentando o grau de consciência sobre as questões da saúde e qualidade de vida, construindo assim novos conhecimentos para a formação de novos hábitos. Trabalhadores motivados, saudáveis e felizes produzem mais, faltam menos ao trabalho, sofrem menos acidentes e têm menos doenças graves.

Para a efetividade organizacional do programa, é necessária sinergia entre os envolvidos: alta direção, áreas da saúde ocupacional, planos de saúde e consultorias. Para orientar o processo de implantação, a área atendida deve ter seu objetivo bem determinado e os custos incorporados à estratégia da empresa.

Michelle Teixeira Lopes

Sobre o Autor: Michelle Teixeira Lopes

Graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará -UFC e especialista em Ergonomia pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR.
Comentar