Falando sobre trabalho e saúde: o que as empresas podem fazer para diminuir a transmissão do Covid-19? As empresas do mundo inteiro estão tomando medidas de prevenção na tentativa de conter a transmissão do coronavírus. Várias medidas podem ser adotadas, como: dispensar os colaboradores, se possível, para trabalho em home office; sensibilizar sobre a importância da lavagem das mãos, bem como, manter um distanciamento de 2 metros entre as pessoas; organizar e agendar os horários de atendimentos para que não haja aglomerações; colocar placas de sinalização (sente aqui ou aguarde aqui) com 2 metros de distância; distribuir álcool em gel 70% para seus funcionários; divulgar os casos confirmados de Covid-19 na empresa, para que os outros funcionários fiquem atentos para possíveis sintomas, assim como, tomar medidas de isolamento social; estimular a higienização dos equipamentos de trabalho (computador, teclado, mouse e bancadas); e também orientar sobre uso de máscara e de outros EPI para aqueles trabalhadores que necessitam, como é caso dos profissionais de saúde. Portanto, todas essas medidas geram grande impacto na rotina da empresa e na vida de seus colaboradores. Não é verdade? O SESI elaborou um guia para ajudar as empresas na construção de seus planos corporativos de contingenciamento à pandemia de Covid-19 no território nacional. É importante que todas as empresas elaborem seu plano, pois, este possibilita identificação dos riscos e, assim, determina uma conduta mais eficaz em cada situação.

O que fazer se surgir um caso de Covid-19 confirmado na empresa?

Primeiramente, a empresa deve identificar se o colaborador com diagnóstico de Covid-19, apresenta sintomas (sintomático) ou não tem sintomas (assintomático). Mediante essa classificação são tomadas medidas de prevenção. Colaborador assintomático, deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para quarentena domiciliar; receber orientação sobre quando e como entrar contato com o sistema de saúde; receber orientação sobre medidas a serem adotadas durante o isolamento domiciliar para prevenção da contaminação a outras pessoas; receber orientação sobre medidas a serem tomadas caso precise se deslocar para o posto de saúde; ser monitorado de 2 em 2 dias para acompanhar a evolução da doença e a situação das pessoas que moram com ele. Já o colaborador que apresentar sintomas deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para uma unidade básica de saúde mais próxima; caso o serviço de saúde o encaminhe para quarentena domiciliar; receber todas as orientações destinadas para os casos assintomáticos. No entanto, as pessoas que mantiveram um contato por um tempo acima de 15 minutos e com uma aproximação menor de 2 metros de distância de uma pessoa com diagnóstico confirmado também precisam ser colocadas em quarentena por 14 dias; receber orientações sobre medidas de desinfecção e isolamento domiciliar. É necessário interditar para fazer uma desinfecção no local de trabalho do colaborador com Covid-19. Assim, realiza-se uma limpeza de todas as superfícies e equipamentos utilizados, já que o vírus pode permanecer vivo por dias em algumas superfícies.">
Mudanças de hábitos – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
Mudanças de hábitos

Vivemos numa correria onde muitas das vezes não há tempo para encaixar mais nada no nosso dia a dia, além do trabalho, filhos, casa etc. Mas será que, realmente, é tão difícil incluir algo na nossa rotina? Ou será que é apenas uma má distribuição do nosso tempo?

Você já parou para pensar como os comportamentos saudáveis contribuem para a promoção e manutenção da nossa saúde física e mental, auxiliam no bem-estar e evitam algumas doenças?

É preciso refletir sobre nosso estilo de vida atual e adotar hábitos mais saudáveis. Tais mudanças podem estar relacionadas à prática de atividade física, a uma alimentação mais saudável e ao controle de nossas emoções.

Vamos começar conhecendo alguns conceitos:

De acordo com Caspersen et.al. 1985, atividade física é qualquer movimento corporal produzido por músculos esqueléticos de forma voluntária que resulte em gasto calórico acima dos níveis de repouso. E exercício físico é um tipo de atividade física com estrutura definida, segundo critérios pré-definidos de volume, intensidade e adaptação (Matsudo, 2005).

Quanto a classificação dos tipos de atividade física (AF) elas podem ser:

  • AF da vida diária (atividades realizadas em casa, limpar a casa, lavar o carro, regar o jardim);
  • AF de locomoção (atividades de deslocamento andar até o ponto de ônibus, buscar o filho na escola);
  • AF laboral (atividades realizadas no trabalho se deslocar de um setor para outro; levantamento de cargas);
  • AF de lazer (atividades realizadas em momentos de lazer, passeio de bike, trilha, dançar, nadar).

Então, por que devemos praticar AF regularmente? Estudos epidemiológicos demonstraram que a prática de AF previne o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, alguns tipos de câncer, obesidade e outras, e que pessoas mais ativas, quando comparadas a pessoas sedentárias, apresentam melhores indicadores de saúde e qualidade de vida.

Outros dados importantes encontram-se na pesquisa da VIGITEL 2018, realizada pelo Ministério da Saúde para o monitoramento de comportamentos de riscos ou proteção para doenças crônicas na população das capitais e Distrito Federal. Segundo os dados desta pesquisa, mais da metade da população brasileira (55,7%) apresenta excesso de peso corporal e, entre esses, 19,8% são classificados como obesos, cujo o IMC (índice de massa corporal) tem valor igual ou superior a 30kg/m².

A recomendação com relação a atividade física, segundo a Organização Mundial da Saúde, é realizar pelo menos 30 minutos/dia de atividade moderada, podendo ser contínua ou acumulada, pelo menos 150 minutos por semana ou 75 minutos de atividade física vigorosa por semana.

Sugestões para aumentar o seu nível de atividade física diária: aumente o seu tempo de caminhada por dia e tente fazer o mais rápido que puder, suba e desça escadas, pegue ônibus no ponto seguinte, faça atividades ao ar livre, como em parques, usufrua das academias das praças, saia para pedalar com a família, faça uma trilha com os amigos, movimente-se, pois a mudança de comportamento é primordial para sua saúde e qualidade de vida.

Portanto, pense! Qual o seu objetivo de vida? Envelhecer com saúde? Ver os filhos crescerem? E o que você precisa fazer? Praticar atividade física, melhorar a alimentação, lidar melhor com estresse; emagrecer…

O SESI Ceará possui um produto chamado Programa Qualidade de Vida (PQV). Esse programa tem o objetivo de promover e proporcionar aos colaboradores da indústria a conscientização para a mudança de hábitos através do autocuidado, apoiado no acompanhamento de uma equipe multiprofissional, composta por nutricionista, psicóloga e profissional de educação física, com o foco na mudança de comportamento.

 

REFERÊNCIAS
* Autocuidado apoiado: manual do profissional de saúde/Organização Ana maria Cavalcanti e Angela Cristina Lucas de Oliveira – Curitiba: Secretária Municipal da Saúde, 2012.
* Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.
* www.fabioceschini.com.brViajando pela Fisiologia – By Fábio Ceschini
Keila Celestino

Sobre o Autor: Keila Celestino

Educadora Física pela Faculdade Estácio – FIC e especialista em Fisiologia do Exercício e Treinamento Esportivo pela Universidade Estadual do Ceará – UECE. Atua como profissional de Educação Física no SESI Ceará na área de Ginástica Laboral e possui conhecimento nas áreas de Musculação, Hidroginástica, Treinamento Personalizado e Avaliação Física.
Comentar