Ficar muito tempo sentado pode ser a causa de suas dores – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
Ficar muito tempo sentado pode ser a causa de suas dores

Já parou para pensar quanto tempo você passa sentado?

Já observou sua postura nessa posição?

São muitas as indagações provenientes desse assunto, então faremos aqui uma breve retrospectiva da evolução do homem e sobre o estilo de vida atual da grande maioria das pessoas. Passamos da posição quadrúpede para bípede, ou seja, a pelve ou quadril tiveram que se adaptar aos novos diâmetros da cabeça, desenvolvendo as aptidões neurais e motoras e passando a usar a inteligência para sobreviver.

O comportamento cada vez mais cômodo, passando horas sentado, seja trabalhando, dirigindo, estudando, em frente à TV, no lazer, faz com que a má postura se torne confortável, fazendo com que o corpo se adapte e descompense certas musculaturas. Nos dias atuais, devemos ter consciência do que seja uma boa postura e um bom equilíbrio para o nosso corpo1.

O que significa esse equilíbrio, principalmente quando estamos em má postura?  A resposta é que seja em pé ou sentado, estamos desequilibrados, ou seja, o esforço será maior para mantermos os nossos músculos estabilizados, maior gasto energético e excesso de trabalho, o que vai gerar compressões nos nossos ossos e articulações, causando lesões e dores. 

Esse hábito pode ter impactos seríssimos na sua saúde e até reduzir sua expectativa de vida. Alguns problemas tais como: dores na coluna, aumento de peso, sedentarismo, obesidade, problemas circulatórios, diabetes, artrite e tendinite fazem parte do repertório dessa má postura.

Nos últimos 50 anos, com o avanço tecnológico, nossos gestos corporais e posturais mudaram radicalmente. O automatismo, a internet, as especificidades profissionais e outros fatores fizeram com que as pessoas ficassem mais paradas. Cada vez mais, trabalhamos realizando tarefas pontuais, de movimentos repetitivos e de pouca variação2.

Estamos nos movimentando menos.

Autores relatam2 que a postura sentada é considerada o vilão para a humanidade e para as alterações dos ângulos do quadril e coluna. Os estudos comprovam que as alterações desses ângulos são os principais causadores de dores, de lesões degenerativas, consequentemente, de cirurgias na coluna vertebral.

Então vamos agora imaginar aquele trabalhador que passa de 8 a 10 horas do seu dia dedicados exclusivamente a sua jornada de trabalho, especificamente aquele do setor administrativo, o qual a maior parte do seu tempo fica sentado, para realizar suas tarefas. Isso pode causar impacto na saúde dos indivíduos como: Fadiga mental, visual (redução da acuidade visual) e física; irritabilidade; afecções musculares, que podem ser decorrentes de uma postura ou mobiliário inadequado; estresse; perturbações no sono; além do tipo de tarefa realizada; interferência na vida familiar e pessoal.

Diante desse cenário, algumas empresas optam por implementar programas de promoção da saúde para os trabalhadores, como a Ginástica Laboral (GL) por exemplo, que pode reduzir os afastamentos e aumentar a produtividade, melhorando a qualidade de vida do trabalhador, contribuindo na prevenção de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) e Lesões por Esforços Repetitivos (LER).

Estudo realizado com funcionários de uma empresa de informática do município de Limeira-SP em 2017, demonstrou que a GL realizada durante um período de 06 meses, com 03 sessões por semana, pode contribuir significativamente com a diminuição ou ausência de dor 3. Outro realizado com trabalhadores do setor administrativo de Portão, no Rio Grande do Sul em 2011 demonstrou melhora das intensidades mais altas de dor de todos segmentos corporais após os 03 meses do programa de GL4.

Referências

1. Panjabi MM. The stebilizing system of the spine, part I: function, dysfunction, adaptation, and enhancement. JSpinal Disord. 1992;37:383-9.

2. Montenegro, Helder. Hérnia de disco e dor ciática:Como prevenir /Como tratar /Como conviver, Fortaleza-Ce: (s,n), 2014, 296p.: color, il.

3. Beneli LM, Acosta BF. Efeitos de um programa de ginástica laboral sobre a incidência de dor em funcionários de uma empresa de software. Revista Saúde e Meio Ambiente – RESMA, Três Lagoas, v, 4, n.1, p. 66-76, jan ∕julho. 2017. ISSN: 2447-8822.

4. Candotti CT, Stroschein R, Noll M. Efeitos da ginástica laboral na dor nas costas e nos hábitos posturais adotados no ambiente de trabalho. Rev Bras Ciênc Esporte 2011; 33(3):699-714.

Keila Celestino

Sobre o Autor: Keila Celestino

Educadora Física pela Faculdade Estácio – FIC e especialista em Fisiologia do Exercício e Treinamento Esportivo pela Universidade Estadual do Ceará – UECE. Atua como profissional de Educação Física no SESI Ceará na área de Ginástica Laboral e possui conhecimento nas áreas de Musculação, Hidroginástica, Treinamento Personalizado e Avaliação Física.
Comentar