Falando sobre trabalho e saúde: o que as empresas podem fazer para diminuir a transmissão do Covid-19? As empresas do mundo inteiro estão tomando medidas de prevenção na tentativa de conter a transmissão do coronavírus. Várias medidas podem ser adotadas, como: dispensar os colaboradores, se possível, para trabalho em home office; sensibilizar sobre a importância da lavagem das mãos, bem como, manter um distanciamento de 2 metros entre as pessoas; organizar e agendar os horários de atendimentos para que não haja aglomerações; colocar placas de sinalização (sente aqui ou aguarde aqui) com 2 metros de distância; distribuir álcool em gel 70% para seus funcionários; divulgar os casos confirmados de Covid-19 na empresa, para que os outros funcionários fiquem atentos para possíveis sintomas, assim como, tomar medidas de isolamento social; estimular a higienização dos equipamentos de trabalho (computador, teclado, mouse e bancadas); e também orientar sobre uso de máscara e de outros EPI para aqueles trabalhadores que necessitam, como é caso dos profissionais de saúde. Portanto, todas essas medidas geram grande impacto na rotina da empresa e na vida de seus colaboradores. Não é verdade? O SESI elaborou um guia para ajudar as empresas na construção de seus planos corporativos de contingenciamento à pandemia de Covid-19 no território nacional. É importante que todas as empresas elaborem seu plano, pois, este possibilita identificação dos riscos e, assim, determina uma conduta mais eficaz em cada situação.

O que fazer se surgir um caso de Covid-19 confirmado na empresa?

Primeiramente, a empresa deve identificar se o colaborador com diagnóstico de Covid-19, apresenta sintomas (sintomático) ou não tem sintomas (assintomático). Mediante essa classificação são tomadas medidas de prevenção. Colaborador assintomático, deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para quarentena domiciliar; receber orientação sobre quando e como entrar contato com o sistema de saúde; receber orientação sobre medidas a serem adotadas durante o isolamento domiciliar para prevenção da contaminação a outras pessoas; receber orientação sobre medidas a serem tomadas caso precise se deslocar para o posto de saúde; ser monitorado de 2 em 2 dias para acompanhar a evolução da doença e a situação das pessoas que moram com ele. Já o colaborador que apresentar sintomas deve: ser imediatamente isolado; receber máscara e instruções de uso; ser encaminhado para uma unidade básica de saúde mais próxima; caso o serviço de saúde o encaminhe para quarentena domiciliar; receber todas as orientações destinadas para os casos assintomáticos. No entanto, as pessoas que mantiveram um contato por um tempo acima de 15 minutos e com uma aproximação menor de 2 metros de distância de uma pessoa com diagnóstico confirmado também precisam ser colocadas em quarentena por 14 dias; receber orientações sobre medidas de desinfecção e isolamento domiciliar. É necessário interditar para fazer uma desinfecção no local de trabalho do colaborador com Covid-19. Assim, realiza-se uma limpeza de todas as superfícies e equipamentos utilizados, já que o vírus pode permanecer vivo por dias em algumas superfícies.">
Dicas de ergonomia para combater a LER/DORT – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
Dicas de ergonomia para combater a LER/DORT

O último dia do mês de fevereiro marca o Dia Mundial de Combate às LER/DORT, sendo LER as lesões por esforços repetitivos, e DORT os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Muitos trabalhadores são acometidos anualmente por essas doenças, causando cansaço, dores e insatisfação no ambiente de trabalho. Como consequência, afastamentos recorrentes, gerando custos para as empresas.

A prevenção ainda é o melhor remédio para essa situação. Uma das formas de prevenir essas doenças é por meio da ergonomia, ciência que visa adaptar as condições de trabalho às características do trabalhador. A assessoria em ergonomia pode mapear as situações que provocam ou exacerbam essas doenças no ambiente de trabalho.

Pequenas atitudes fazem a diferença. Compartilhe com seus colaboradores algumas dicas para combater a LER/DOR no ambiente de trabalho. Eles poderão regular suas estações de trabalho ou solicitar auxílio para solicitar a adequação.

Cadeira:

  • Sente-se na cadeira e ajuste-a de maneira que seus cotovelos formem um ângulo de 90º ao manter as mãos apoiadas sobre o tampo da mesa;
  • O encosto deve estar a 110° do assento
  • A cadeira deve ter apoio para a região lombar e dorsal
  • Os pés devem ter contato completo com o chão ou apoiados em suporte específico
  • As coxas devem ficar paralelas ao piso
  • O trabalhador deve estar próximo da superfície de trabalho
  • Os braços devem ficar apoiados

Monitor:

  • A altura ideal da 1ª linha escrita deve ser de 155 cm. O monitor deve ser posicionado abaixo do eixo visual horizontal e estar a uma distância de um braço, no mínimo. O motivo: Se o monitor estiver muito perto ou na altura incorreta, sua postura corporal ficará frequentemente contraída. Principalmente na área dos ombros e da nuca, costumam surgir tensões. Segue abaixo foto ilustrativa com tracejado da inclinação do monitor em relação aos olhos da pessoa que o utiliza.
  • A tela deve estar ao nível do horizonte ou levemente abaixo
  • O trabalhador deve localizar-se bem em frente ao monitor
  • A iluminação deve ser adequada
  • Use filtro no caso de brilho excessivo
  • A distância adequada é de 60 cm entre a pessoa e a tela do computador

Teclado e mouse:

  • A altura ideal deve ser de 110 cm
  • Eles devem localizar-se próximos e na frente de quem vai usá-lo
  • Os cotovelos devem permanecer em ângulo de 90°
  • Os punhos precisam permanecer retos

Dicas preventivas:

  • Busque sempre adotar uma postura adequada e realize pequenas pausas em qualquer atividade repetitiva. Intervalos breves e frequentes são mais eficazes para a recuperação do que um período de descanso igual, tomado de uma só vez. Durante essas pausas faça alguns alongamentos para as áreas de seu corpo que estiverem executando a tarefa.
  • Cuide para sempre adequar seu posto de trabalho de acordo com as características físicas e com sua atividade.
  • Não realizar força nem pressão exageradas, repetitivas ou frequentes
  • As LER/DORT são curáveis, principalmente nos primeiros estágios. Portanto, procure ajuda.

Gostou das dicas? Compartilhe com seus colaboradores o infográfico abaixo:

Tatiana Rocha Machado

Sobre o Autor: Tatiana Rocha Machado

Enfermeira e mestre em Promoção da Saúde pela Universidade Federal do Ceará – UFC, especialista em Enfermagem do Trabalho e Enfermagem Clínica pela Universidade Estadual do Ceará – UECE e especialista em Gestão Hospitalar pela Universidade Vale do Acaraú – UVA. Atua como enfermeira do trabalho na Unidade de Segurança e Saúde para a Indústria (UNISSIN) - SESI Ceará.
Comentar