O que é e qual a importância da vacinação in company?

A imunização ocupacional, ou vacinação in company, como o próprio nome sugere, é o ato de vacinar os profissionais de dentro da empresa. Ou seja, trata-se de uma ação realizada pela empresa para garantir a imunização dos funcionários, seguindo o Plano Nacional de Imunização e outras normativas do tema. 

É possível promover várias campanhas de vacinação na empresa, como vacinas da gripe, hepatite A e B e outras. 

Mas, qual a importância da imunização ocupacional? Com ela, é possível ajudar sua equipe a manter o cartão de vacinação atualizado, garantindo a proteção dos colaboradores contra várias doenças. 

Isso oferece várias vantagens para os funcionários e para a empresa, continue acompanhando para descobrir quais são. 

Benefícios da Imunização Ocupacional

Como já deu para perceber até agora, a imunização ocupacional é um assunto bastante relevante para a empresa e para as pessoas que fazem parte dela. No entanto, quais são os reais benefícios que essa prática vai trazer para os colaboradores e para as organizações?

Abaixo elencamos alguns deles: 

Os colaboradores vão adoecer menos, se mantendo protegidos

Esse é um motivo bastante simples e extremamente importante. Vacinando seus funcionários, eles estarão mais protegidos e imunes a contrair doenças tanto no ambiente de trabalho como fora dele. 

Os funcionários irão aproveitar boas condições de saúde e bem-estar

Essa é uma vantagem não apenas para o colaborador, mas também para a empresa. Estando saudável, o colaborador se sentirá mais motivado e focado no trabalho e atividades diárias. 

Doenças que afetam a produtividade poderão ser evitadas

A gripe, por exemplo, é uma das doenças que podem prejudicar o desempenho dos colaboradores. Por ser contagiosa, basta que uma pessoa contraia para que várias fiquem doentes também. Com a imunização ocupacional, isso poderá ser evitado, contribuindo para o aumento da produtividade. 

A empresa irá reduzir o número de afastamentos e o absenteísmo por doenças

Como já falamos anteriormente, uma equipe doente pode ocasionar um número maior de faltas. Dependendo do tempo que o colaborador se mantém afastado, será preciso que a empresa contrate um substituto. Com a vacinação nas empresas, além de contar com profissionais saudáveis, ainda é possível economizar com gastos desnecessários. 

Irá melhorar o ambiente de trabalho, assim como desenvolver o bem-estar social

Quando a empresa promove a vacinação, de maneira indireta, ela está oferecendo um ambiente de trabalho mais seguro, confortável e passando para os funcionários que é preocupada com sua saúde e bem-estar. Isso é fundamental para que os trabalhadores se sintam pertencentes à empresa.

Como colocar a imunização ocupacional em prática? 

Agora que você já entendeu a importância dessa prática, iremos mostrar abaixo como aplicá-la na sua empresa. 

O SESI pode ajudar sua empresa nessa missão.

Nós disponibilizamos programas de Saúde e Segurança do Trabalho para todas as empresas, associando as várias ações que podem ser tomadas para integridade do trabalhador e o cumprimento das exigências legais e um deles é a Campanha de Imunização.

Quer saber mais sobre o assunto? Clique aqui e solicite uma proposta. Pratique o cuidado e não deixe sua empresa de fora dessa prática.

">
As vantagens de educar o trabalhador para uma boa alimentação – Blog SESI de Saúde e Segurança
descer
SESI
As vantagens de educar o trabalhador para uma boa alimentação

A busca pela longevidade positiva, pautada em mudanças no hábito de vida e cuidados com a saúde, através da diminuição do sedentarismo e reeducação alimentar, são as melhores estratégias adotadas tanto pela população quanto pelas empresas para redução de custos com a saúde dos trabalhadores.

Garantir as necessidades calóricas do trabalhador deixa de ser prioridade nesse novo cenário enfrentado no Brasil e no mundo, com a alta prevalência das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), passando a ter papel secundário. A prioridade é assegurar uma alimentação que possibilite melhorar as condições de saúde e qualidade de vida dos trabalhadores.

É preciso lembrar que hábitos de vida – em especial, hábitos alimentares – são formados com a repetição de atitudes aprendidas desde muito cedo na família, associado a fatores psicológicos e sociais. A escolha dos alimentos varia de acordo com as preferências, com o prazer associado ao sabor das preparações e com seus custos.

O desafio é mudar a visão da alimentação prazerosa para uma alimentação racional, que atenda às necessidades do organismo e que atue de forma efetiva e preventiva sobre a saúde. Os nutrientes, presentes nos alimentos, compõem o organismo e propiciam o seu funcionamento. As preferências alimentares favorecem uma repetição na escolha de determinados alimentos, podendo gerar um desequilíbrio na alimentação devido à falta de alguns nutrientes, deixando o corpo fragilizado. Essa fragilidade é percebida através de sinais e sintomas, como, por exemplo, sonolência e desconforto abdominal, afetando negativamente o rendimento dos trabalhadores.

A educação nutricional entra nesse contexto com propriedade para apresentar ao trabalhador, de forma clara e expositiva, os ganhos com a adoção do lado racional da alimentação, auxiliando-os nas escolhas de alimentos saudáveis que promovem saúde e segurança alimentar.

As ações em educação nutricional podem ser apresentadas ao trabalhador através de intervenções em diferentes níveis de complexidades. Elas vão desde atividades com abordagem rápida e de fácil aplicação, como palestras, orientações nutricionais direcionadas e workshops, até atividades com abordagem processual, com maior tempo de intervenção e com participação mais efetiva do trabalhador, como ações vivenciais e consulta nutricional, objetivando a sensibilização do trabalhador.

A qualidade de vida do trabalhador refletida com a melhora do estado de saúde trará impactos diretos sobre a sustentabilidade da empresa, através da redução de gastos com assistência médica, redução nos índices de absenteísmo, uma vez que saúde e vitalidade são fatores essenciais para o aumento da produtividade.

Maria José Pinheiro

Sobre o Autor: Maria José Pinheiro

Nutricionista pela Universidade Estadual do Ceará - UFC, especialista em Alimentos Funcionais e Nutrigenômica pela Universidade Estácio de Sá. Pós-graduanda em Nutrição Clínica Funcional pela CVPE/UNICSUL. Consultora em APPCC pelo SENAC. Atua como Nutricionista nos Serviços Médicos e Clínicos do SESI Ceará, unidade Parangaba.
Comentar